Grupo Rotarianos em Ação ajuda no cultivo de alimentos nutritivos

Bruce French at a market in the Solomon Islands, where Learn Grow launched a local foods project.
Foto: Photo courtesy of Food Plant Solutions Rotarian Action Group

O australiano Bruce French vem consumindo alimentos locais há 35 anos, muito antes disso se tornar uma tendência da culinária. Atualmente, ele trabalha com alguns rotarianos para ajudar países com segurança alimentar precária a fazerem o mesmo. 

French fundou uma organização sem fins lucrativos, a Food Plants International, que mantém um banco de dados com 25.000 plantas alimentícias junto com suas descrições, listas de países e climas em que crescem, imagens e métodos de preparo. 

“Existem milhares de plantas nutritivas que são desconhecidas pelas pessoas", diz Buz Green, agricultor e associado do Rotary Club de Devonport North, na Austrália. “Estamos tentando melhorar essa situação.” Em 2007, Green e French lançaram o projeto Learn Grow para ajudar pessoas de países em desenvolvimento a cultivarem alimentos locais que atendem às suas necessidades nutricionais. O projeto recebe o apoio do clube Devonport North e do Distrito 9830. 

“As equipes de rotarianos em países em desenvolvimento inevitavelmente veem fome, desnutrição e falta de segurança alimentar como problemas críticos", explica Green. "E costumam aplicar soluções ocidentais aos problemas de produção de alimentos." 

Segundo ele, o problema é que as plantações ocidentais não possuem o perfil nutricional adequado para as populações do mundo em desenvolvimento, cujas dietas costumam ter pouca variedade. As plantações nativas são mais nutritivas e resistem às pragas, doenças e condições climáticas locais. 

“Praticamente todas as mulheres do mundo tropical são anêmicas,” acrescenta French. “Se levarmos alimentos como repolho para lá, por exemplo, a situação ficará dez vezes pior.”

Em 2010, o Learn Grow lançou o projeto piloto nas Ilhas Salomão, produzindo uma lista de plantas comestíveis locais, guias para produtores e um livro para escolas e grupos comunitários. Organizações locais ajudam a disseminar as informações. A equipe do projeto já foi contatada por 20 países em desenvolvimento interessados no projeto, e uma nova iniciativa está sendo implementada na Coreia do Norte. 

O mundo ocidental está cada vez mais interessado nos princípios da alimentação local. "Durante 35 anos fui chamado de excêntrico. Agora, ouço que estou na moda", diz French. 

Artigo publicado na edição de junho de 2012 da The Rotarian.

6-Aug-2013
RSS