Estudantes fazem amizades virtuais

Imagine um grupo de alunos do ensino fundamental conversando e trocando ideias sobre seus animais de estimação, esportes favoritos e comidas prediletas. Esta parece uma sala de aula normal, mas metade dos alunos estão em Durham, EUA, e a outra metade está do outro lado do mundo, em Ahmedabad, Índia.

Isto se trata de uma videoconferência internacional com oito alunos da escola YE Smith Elementary que participam do programa de alfabetização Rotary Reading Rangers, do Rotary Club de Durham. Após se apresentarem, os estudantes da Índia compartilham um relatório sobre a história do festival de primavera anual Holi.

"Eu queria fazer com que jovens de outras nações se conectassem também", disse o fundador do programa, Todd Taylor. Todd, associado do clube de Durham, teve a ideia de começar o projeto depois de participar de uma reunião sobre a alfabetização em Durham, onde descobriu que mais de 40% dos alunos das escolas públicas locais não foram aprovados nos testes de leitura. Quando consultado por seu clube para analisar uma proposta de subsídio da Fundação Rotária para comprar livros para a biblioteca da YE Smith, ele sugeriu que os fundos também fossem usados para resolver os problemas de alfabetização da comunidade. Todd também teve a ideia de pedir ajuda à empresa em que trabalhava, a Duke Corporate Education, que possui escritórios na Índia equipados com tecnologia de videoconferência.

O programa de leitura possui 35 professores particulares registrados e já ajudou cerca de 80 alunos. Todd diz que, embora o programa ainda seja relativamente novo, os alunos fizeram progressos significativos. 

Newman Aguiar, do clube de Durham, concorda que a videoconferência foi uma oportunidade fantástica para os alunos. "Eles saem com uma noção clara do quanto eles têm em comum com seus colegas. Este é o tipo de conexão humana que provavelmente terá uma influência sobre seus futuros."

Taylor sugere que os clubes interessados na criação de um projeto semelhante mantenham as escolas participantes diretamente envolvidas. O nosso trabalho em conjunto com os professores tem sido essencial para o sucesso do programa.

"Toda comunidade possui áreas que lutam contra o analfabetismo, e os alunos não estão preparados para irem à escola", diz Aguiar. "Os rotarianos podem se envolver desde o início do processo educativo, e com um pequeno investimento de tempo, melhorar o índice de alfabetização e ajudar na melhoria da comunidade."

Saiba mais sobre o projeto Rotary Reading Rangers
Leia um artigo sobre a videoconferência em nosso blog Rotary Voices
Você possui um projeto de alfabetização? Compartilhe conosco em nosso grupo de discussão

Rotary News

17-Jun-2014
RSS