Minibibliotecas incentivam a leitura

A organização Peace Project (Nicarágua), apoiada pelo Rotary Club de Keyser (EUA), instalou a biblioteca em parceria com a organização sem fins lucrativos Wishful Thinking, sediada em Los Angeles.
Foto: Photos courtesy of Little Free Library
David McKinley (à esquerda) construiu esta biblioteca para sua irmã Hilary Gray (à direita) e sua família.
Foto: Photos courtesy of Little Free Library
Bibliotecária aposentada construiu esta casinha. O telhado é feito de tampinhas de cerveja da Alemanha, dadas a ela por um estudante de Berlim.
Foto: Photos courtesy of Little Free Library
Grupo de escoteiras cuida de minibiblioteca em parque de Wisconsin (EUA), que fica ao lado de uma trilha.
Foto: Photos courtesy of Little Free Library
Família de Milwaukee (EUA) mostra livros da Little Free Library.
Little Free Library na Coreia.

Em julho de 2013, quando os editores da revista Reader's Digest (Seleções, no Brasil) publicaram uma lista com as 50 razões pelas quais eles amavam a América, os cantores Bruce Springsteen e Bon Jovi ficaram em 50º lugar, Bill Gates em 25º e em 11º lugar, surpreendentemente, a Little Free Library (Pequena Biblioteca Grátis), uma iniciativa criada pelo rotariano Todd Bol, de Wisconsin (EUA), que acabou se tornando fenômeno internacional. 

No ano de 2009, em homenagem à sua mãe, que era professora e adorava ler, Todd montou uma pequena casinha de madeira, encheu-a de livros e abriu sua primeira "minibiblioteca". Hoje, mais de 16.000 miniaturas do tipo foram criadas em 55 países, ganhando exposição em jornais, revistas e redes sociais de vários países.  

O conceito é simples: monte uma casinha de madeira em frente à sua casa, local de trabalho ou escola, encha-a de livros e espere as pessoas passarem para pegar ou deixar um livro. 

Cerca de três quartos dos donos das bibliotecas em miniatura constroem suas próprias casinhas, cujas especificações podem ser encontradas no site da organização, www.littlefreelibrary.org. O restante compra modelos já fabricados a partir de US$175. O lucro com as vendas cobre os gastos com funcionários, website e campanhas educacionais, assim como programas da Little Free Library para construir mais bibliotecas em comunidades carentes.

Quando as pequenas bibliotecas começaram a ganhar popularidade, Todd e seu sócio Rick Brooks, que é especialista em desenvolvimento comunitário, definiram a meta de criar 2.510 unidades - uma a mais do que o filantropo Andrew Carnegie, que usou sua fortuna para montar bibliotecas em todo o mundo. Eles chegaram ao marco em agosto de 2012, um ano e meio antes do que esperavam. Atualmente os sócios estão buscando maneiras de aproveitar o entusiasmo mundial pela ideia para transformá-la em um movimento de dimensão ainda maior. 

A Little Free Library também lançou programas com foco na África (alguns rotarianos já começaram a montar bibliotecas em Gana) e nas 11.000 cidadezinhas americanas que não possuem bibliotecas públicas. "Não consigo pensar em pessoas mais apropriadas para este trabalho do que os rotarianos. Vocês conseguiriam construir uma biblioteca em cada cidade em cerca de dois meses", diz Todd. 

O Rotary Club de Fort Wayne, em Indiana (EUA), está trabalhando para instalar 100 minibibliotecas em comemoração ao seu aniversário de 100 anos, em junho de 2015. Depois que um jornal local publicou um artigo sobre a primeira que montaram, o clube recebeu seis ligações de pessoas interessadas em participar. "Todos querem uma biblioteca em suas comunidades", conta Candace Schuler, uma das associadas do Rotary Club. 

Você sabia que há uma biblioteca dessas no Brasil? Conheça um pouco da BiblioteCasinha Livre, em São Paulo.

Adaptação do artigo publicado na edição de março de 2014 da The Rotarian

24-Mar-2014
RSS