Clubes pequenos, grandes resultados em Gana

O primeiro projeto realizado em Gana pelos rotarianos dinamarqueses foi nesta escola de ensino primário em Nnudu.
Foto: Foto cedida por Hans Kjaer

Uma escola sem carteiras, outra precisando de piso e janelas, e uma clínica médica sem leitos eram alguns dos desafios de três vilarejos em Gana antes de receberem apoio de rotarianos dinamarqueses, há quatro anos.

Quando os rotarianos ouviram o artista dinamarquês Hans Kjær, que havia lecionado em Gana, falar sobre as necessidades do vilarejo de Nnudu, eles sabiam que poderiam causar um impacto positivo naquela comunidade. Segundo Kaj Knudsen, ex-presidente do Rotary Club de Rudkøbing, mesmo uma pequena quantia em dinheiro poderia fazer uma grande diferença.

Assim, os Rotary Clubs de Rudkøbing, Sct. Jørgens, Svendborg e Svendborg Sydfyn juntaram seus recursos financeiros para colaborarem no International Activity Group (INTAG), grupo de atividades internacionais que financia um projeto por ano com investimentos de $5.000 a $9.000.

O primeiro projeto foi realizado em 2010-11 na escola de ensino primário de Nnudu, que precisava de carteiras e cadeiras para os seus 200 alunos. Com Kjær servindo de contato em Nnudu, os associados do Rotary Club de Rudkøbing e diversos outros grupos financiaram o envio de 200 carteiras, 400 cadeiras e materiais escolares que foram disponibilizados por causa da construção de uma escola nova em Langeland, Dinamarca. O Rotary Club de Koforidua-New Juaben, Gana, ajudou a levar o contêiner com a mobília do porto de Tema até Nnudu.

O sucesso do projeto motivou os rotarianos do INTAG a colaborarem novamente com Kjær em 2011, desta vez para reformar uma escola de ensino secundário que atende estudantes de Nnudu e de dois outros vilarejos vizinhos. Com a ajuda do professor Seth Agyarko, que administrou o projeto, no período de duas semanas eles arrumaram o piso e as escadas, concertaram as paredes, instalaram portas e janelas, e pintaram o prédio inteiro.

Os moradores participaram de cada etapa do projeto. "As pessoas agora se orgulham de dizer que aquela é sua escola", diz Agyarko. 

Knudsen concorda: "O método beneficia todas as partes envolvidas: desde o fornecedor de madeira e carpinteiro, até o pedreiro e eletricista. Eles participam da iniciativa, sentem-se responsáveis pelo trabalho e se orgulham do resultado final."

Com base neste modelo, o projeto seguinte do grupo foi a reforma de um centro cultural, que recebeu mesas, cadeiras e um computador. No ano passado, eles renovaram uma clínica médica que atende a três vilarejos, fornecendo equipamento básico como leitos, geladeira para medicamentos, estetoscópios e termômetros e ajudaram a fornecer plano de saúde para mães solteiras.

Os clubes dinamarqueses realizam eventos de arrecadação de fundos para financiar estas atividades. As verbas arrecadadas vão diretamente aos projetos, pois não há custos operacionais ou administrativos. Kjær paga por suas próprias viagens entre Nnudu e a Dinamarca.

Segundo Knudsen, o sucesso da parceria é resultado do envolvimento de Kjær: "Cada vez que ele volta de Nnudu, chega com novas ideias para o próximo projeto". No ano passado, os rotarianos dinamarqueses homenagearam Kjær, que não é rotariano, com o título de Companheiro Paul Harris.

Os projetos do INTAG não apenas ajudaram a melhorar a qualidade de vida em Nnudu, mas também beneficiaram os Rotary Clubs da Dinamarca. "Isso mostra o que nós, os Rotary Clubs menores, podemos fazer quando unimos as nossas forças", diz Knudsen.

Adaptação de artigo publicado na edição de março de 2014 da The Rotarian

25-Mar-2014
RSS