Projeto chega à raiz do problema odontológico no Quênia

Em julho, 5.000 crianças no Quênia receberam mochilas com escova de dentes, creme dental e copo de aço inoxidável. O projeto Kenya Smiles também financia educação para mães e ajuda a treinar dentistas locais.
Foto: ©Sheila Hurst. All rights reserved. Not for reuse.

Os 44 milhões de habitantes do Quênia só contam com 1.000 dentistas. Assim, não é de se espantar que a higiene bucal seja algo raro fora das áreas urbanas desta nação. 

“A maior parte da população de regiões rurais precisa viajar longas distâncias para ir ao dentista”, diz Stephen Irungu, que trabalha com o departamento de odontológica do Ministério da Saúde do Quênia e é ex-presidente do Rotary Club de Murang’a. "Infelizmente, a cultura local não se importa se alguém tiver um dente quebrado ou falta de dente na boca", observa a ex-governadora de distrito Geeta Manek. 

O apodrecimento do dente é a doença crônica mais comum na infância, afirma a pediatra Karen Sokal-Gutierrez. “A gente costuma se preocupar mais com aids, malária e tuberculose, mas a deterioração dos dentes é um problema muito mais comum, e bastante negligenciado."

O projeto Kenya Smiles foi idealizado por Sheila Hurst, consultora educacional e associada do Rotary Club de Redding West, EUA, e Laura Day, ex-governadora do Distrito 5160. Uma equipe de formação profissional do Quênia, integrada por seis dentistas, fez treinamento na Califórnia em abril de 2013 graças a um Subsídio Global entre o Rotary Club de Karen-Nairobi e os Distritos 9212 (Eritreia, Etiópia, Quênia e Sudão do Sul) e 6150 (EUA). 

COPOS MÁGICOS 

Em julho de 2013, 10 americanos, incluindo Hurst, Day e Sokal-Gutierrez, foram ao Quênia entregar quatro unidades operatórias portáteis, materiais educativos e 5.000 mochilas do Rotary que continham escovas e pastas de dentes, e copos de aço inoxidável apelidados de Copos Mágicos pelas crianças africanas. Cada kit custou somente US$10. O projeto também financia orientação em nutrição para mães. 

"O componente educacional do projeto  Kenya Smiles o separa de outros do gênero", afirma a ortodontista Maureen Valley. "Várias iniciativas medem o sucesso pelo número de dentes obturados e extraídos, mas deixam de focar no mais importante, que é tratar a origem do problema com intervenção e instrução.”

SORRISOS SADIOS

Peter DuBois, diretor executivo da California Dental Association, acha fenomenal que o projeto una recursos rotários e governamentais a profissionais da saúde. Ele agendou reuniões entre os visitantes quenianos e dentistas da Califórnia.

"Este projeto é essencial em um lugar onde dor de dente é tratada com extração”, diz Jeff Bamford, presidente-fundador do Rotary Club de Karen-Nairobi. "Precisamos de mais dentistas e clínicas sim, mas acima disto temos que prevenir ao máximo o apodrecimento dos dentes das pessoas ” 

 

Adaptado de um artigo de fevereiro de 2014 da The Rotarian.

18-Feb-2014
RSS